sexta-feira, 30 de março de 2012

Mais um pouco de Chá-Licungo

Regresso ao tema do Chá Li-Cungo, para prazer dos saudosistas. A lembrança foi despoletada por este cartaz publicitário lindíssimo. Está identificado como tendo sido feito em Lisboa na «Lito Amorim», em 8 de Julho de 1938. Esta tipografia teve grande actividade dos anos de 1930 a 1960 sendo responsável pela impressão e presumivelmente pela criação de material destinado ao Turismo. Estava ainda activa em 1985.

O cartaz, de grande qualidade estética, mostra-nos um criado preto com um «fez» ou chapéu turco na cabeça e um tabuleiro em que repousam uma chávena e um bule onde se pode ler «Chá Li-Cungo».
Nesta imagem está representado um modelo de bule, menos frequente do que os que reproduzi no poste anterior sobre este tema. Trata-se de uma peça saída igualmente da Fábrica de Louças de Sacavém, do período Gilman & Cia, como se pode ver na sua base.

Na parte inferior do cartaz mostram-se vários modelos de caixas de chá, os mais frequentes em cartão, como apresentei anteriormente, e uma caixa em folha-de-flandres azul, onde se identifica a sua proveniência: «Companhia da Zambézia - Gurué - Moçambique», remetendo-nos para a extensa região de plantação de chá no centro daquele país.
Também a representação desta embalagem nos ficou na memória. Um exemplar bem conservado é aqui apresentado e serve para recordar os mais esquecidos ou aqueles que não tiveram a sorte de o conhecer.

8 comentários:

Maria Paula disse...

Olá Ana
Apesar de ser uma visita assídua do seu blogue, nunca tive oportunidade de lhe dizer o quanto aprecio os seus posts.Hoje, um bocado liberta dos afazeres profissionais, aproveito para lhe dar os parabéns pelo seu útil e interessante blog.
O Chá-Licungo, era praticamente o único chá que existia em casa dos meus pais.A caixa amarela de papelão é inconfundível.

Ana Marques Pereira disse...

Olá Maria Paula,
Ainda bem que o fez. É sempre bom receber o feed-back do trabalho que fazemos.
Obrigada. Um abraço

Anónimo disse...

Era também usado em casa de meus pais.Não conhecia a latinha mas julgo ter havido,além das amarelas,umas embalagens róseas.
Cumprimentos.
José

Ana Marques Pereira disse...

José,
Pode não acreditar mas entrou hoje aqui em casa uma dessas embalagens rosas, que era usada como amostra.
Um abraço

Anónimo disse...

Boa Tarde,
saberá dizer-me a quem pertence o primeiro cartaz, ou se ainda haverá exemplares por exemplo em revistas.
Muito Obrigado.

Ana Marques Pereira disse...

Anónimo,
O cartaz é meu. Tudo o que coloco no blog, excepto informação em contrário, faz parte da minha colecção.

AdriJPSoares disse...

Usei o seu link nos grupos sobre Moçambique no Facebook. Contudo uma pequenaMrectificação: Gurué - Zambézia é no centro e não no Norte de Moçambique.

Ana Marques Pereira disse...

AdriJPSoares,
Agradeço a sua atenção e a correcção. Vou corrigir essa afirmação.
Melhores cumprimentos