terça-feira, 18 de Novembro de 2014

Última sessão do curso «À volta da Mesa. Utensílios e práticas»

Aproxima-se a última sessão do curso «À volta da Mesa. Utensílios e práticas» que terá lugar na Casa Museu Dr. Anastácio Gonçalves. 
Esta semana terá lugar na 6ª feira (e não na 5ª feira como anteriormente), dia 21 de Outubro, às 18,30 horas e incidirá sobre o século XIX.
Serão analisadas as consequências sociais da ascenção da classe burguesa que utilizava a mesa como prova da sua riqueza e poder.
Baixela Victoria, desenho de Domingos Sequeira, oferecida ao Duque de Wellington
Veremos as principais alterações que ocorreram na mesa nesta época e como o «serviço à russa» introduziu modificações nas baixelas, nos centros de mesa, nos serviços de copos e talheres, etc.  Falaremos nas cozinhas e nas salas-de-jantar, entre outros temas. 

sexta-feira, 14 de Novembro de 2014

Objecto Mistério Nº 44. Resposta: Bule para vinho, tipo «cadogan»

China. Dinastia Qing, 2ª metade século XVII, CMAC, invº 373
Designado em inglês «wine pot» este objecto destinava-se ao uso de vinho de arroz na China. Conhecem-se modelos deste tipo, em forma de pêssego, desde a segunda parte do século XVII. 
Embora possam ser polícromos, este modelo da CMAG, apresenta um vidrado uniforme de cor roxa. Característicamente possuem dois ramos que saem da asas e do bico e que terminam em três folhas de pessegueiro.
Não é esta a única forma de apresentação dos bules para vinho que podiam apresentar-se com um aspecto de bule convencional, embora mais frequentemente tivessem maiores dimensões ou ainda tomarem a forma complexa de um letra chinesa.
 
O que caracteriza este tipo de bule é o seu aspecto enganador. Aparentemente não possuem qualquer orifício de entrada para o líquido e, contudo, quando inclinado ele sai. Isso deve-se a um sistema de funil invertido colocado no interior do bule e em que a entrada do líquido se faz pela base.
Um dos primeiros possuidores deste tipo de bules para em Inglaterra foi William Cadogan, 1º conde de Cadogan (1675 - 1726), que chegou mesma ao ter um bule deste tipo com a sua identificação. Por essa razão os bules de chá com esta forma tomaram o nome de «Cadogan».
Meissen, 1725
No século XVIII já eram feitos bules semelhantes na Europa e durante a primeira metade do século XIX continuaram a ser feitos sobretudo em Inglaterra onde foram sempre muito apreciados.
Este último exemplar é inglês, feito em Spode no 2º quartel do século XIX, e tive a sorte de o conseguir comprar pela internet ao fazer a pesquisa sobre estes tipos de bule. Os bules do século XIX apresentam diferenças em relação aos dos séculos anteriores, pelas suas maiores dimensões, forma de pêssego mais dificilmente identificável e bicos mais grosseiros. Ainda assim uma peça interessante para quem não pode ter um do século XVII. 
Fab. Manuel Cipriano Gomes Mafra, 1879-1887, Museu da Cerâmica invº 1472 

O gosto pelos vaso enganadores existiu também em Portugal como podemos ver pelas bilhas feitas no século XIX nas Caldas da Rainha ou, as bilhas de segredo de Bisalhães, ainda hoje fabricadas. 

quarta-feira, 12 de Novembro de 2014

Objecto Mistério Nº 44

Amanhã às 18,30 terá início a 3ª sessão do curso «À volta da Mesa. Utensílios e práticas» que terá lugar na Casa Museu Dr. Anastácio Gonçalves (CMAG).

Vamos continuar no século XVIII onde se focarão os aspectos sociais da época e as suas repercussão no modo de vida.
Ideas como as da valorização da natureza e o gosto pelo trompe l’oeil manifestaram-se também no espaço das refeições e em especial na mesa do dessert. 

Serão apresentados utensílios que confirmam esse gosto, mas por hoje ficamos por um objecto, igualmente enganador, que faz parte do espólio da CMAG.


Como se chama ou melhor dizendo para que servia?.
Nota: Uma ajuda para os mais distraídos: note-se a ausência da tampa.

sexta-feira, 7 de Novembro de 2014

Objecto Mistério Nº 43. Resposta: Fonte de vinho

 
Talvez que a designação de «Fonte de vinho» não seja a mais apropriada por se prestar a confusões. Pareceu-me contudo mais adequada do que «Fonte para vinho» para traduzir a expressão «Wine fountain».
Na realidade trata-se de uma fonte com água no seu interior, destinada à lavagem dos copos durante uma refeição de cerimónia ou banquete, no século XVIII. 
Nessa época os copos nunca eram colocados sobre a mesa e era o criado ou copeiro que levava o copo com vinho, sobre uma salva, quando o conviva fazia sinal. Este, depois de beber o vinho simples ou com água, devolvia o copo ao criado. Como o número de copos era inferior ao número de convidados, e cada copo servia para várias pessoas, estes eram passados por água, para serem utilizados por outra pessoa.
Estas fontes são extremamente raras e o exemplar apresentado pertence ao Museu Victoria & Albert. É em prata e foi executada por Pierre Platel em 1713. Esta peça tem de altura 64 cm e pesa 12,8 Kg.
Platel foi um dos mais famosos ourives da sua época em Inglaterra. Foi o mestre do mais considerado ourives do século XVIII, Paul de Lamerie, francês huguenote que, tal como o seu mestre saíram de França para trabalhar em Inglaterra.

Esta fontes podiam fazer parte de um «serviço para servir vinho» constituído por um refrescador de grandes dimensões, em prata, colocado no chão, onde se introduziam as garrafas no gelo. Estes refrescadores faziam-se acompanhar por uma fonte do tipo da apresentada, que ficava colocada numa copeira e a que se associava uma cisterna semelhante ao refrescador mas de menores dimensões, destinada a receber a água de enxaguar os copos.

Apresenta-se um exemplo desse tipo de serviço para servir vinho da autoria de Anthony Nelme, datado de 1719-20. Foi feito para Thomas Parker, 1º conde de Macclesfield, Lord Chanceler de Inglaterra e apresenta as suas armas gravadas na prata.
Este tipo de fontes de vinho são diferentes das utilizadas como lavabos, para lavagem das mãos antes das refeições, embora o princípio seja o mesmo: um reservatório com torneira e uma taça para recolha da água. Igualmente do século XVIII são estas fontes em porcelana da China que fazem parte do espólio da Casa Museu Anastácio Gonçalves, que se apresentam como exemplos destes últimos. 
China, Dinastia Qing, Período Kangxi, CMAG,  invº 132-133
China, Dinastia Qing, Período Kangxi, CMAG, invº 182-183
Estes reservatórios de água são completamente diferentes, em forma e função, das «urnas para chá», bem como dos «samovares», utilizados para manter a água quente e de que falaremos noutra oportunidade. 

quarta-feira, 5 de Novembro de 2014

Objecto Mistério Nº 43

Pela primeira vez o objecto mistério apresentado não pertence à minha colecção. Trata-se de um objecto existente num museu que, como compreendem, não posso nesta fase nomear.

Vou apresentá-lo amanhã na segunda sessão do curso «À volta da Mesa. Utensílios e práticas» que terá lugar na Casa Museu Anastácio Gonçalves.
 O curso cobre os séculos XVIII e XIX e constará de quatro sessões, que têm início às 18,30, às 5ª feiras.
Para quem lá estiver já sabe que vai ser apresentado este desafio e ficará a conhecer a sua resposta.
Os outros terão que esperar um pouco mais pela solução do mistério. 

sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

Um serviço infantil em forma de palhaço

Este objecto com a forma de brinquedo é na realidade um conjunto em plástico que serve para dar as refeições a uma criança, de forma divertida. Foi feito na década de 1940 nos Estados Unidos e trazido para Portugal por um avô Coutinho que o personalizou para a sua neta Celina Maria, ao mandar gravar o seu nome na barriga do palhaço.
O conjunto ou serviço é composto por 5 peças: um pires azul, uma chávena encarnada, uma taça amarela, um oveiro branco e um saleiro cónico azul. 
Era na altura produzido pela forma Crown Craft Produts, situada em Nova Iorque que usou a expressão «tak-a-part», que não existe, em vez de «take apart», para explicar que é uma peça desmontável.
 Na embalagem o fabricante dizia que o número da patente estava pendente mas na realidade nunca chegou a ser pedido. Talvez isso explique a produção do mesmo objecto na década de 1960 pela firma Monarch Plastics Corp. de St. Albans, NY., idêntico na forma e na embalagem, embora nessa altura o boneco já não apresentasse pinturas.
Palhaço feita pela Monarch Plastics
Um presente que certamente provocou a alegria da sua neta, embora seja de concluir que nunca chegou a ser usado dado o bom estado do palhaço e da embalagem.

segunda-feira, 27 de Outubro de 2014

À volta da mesa. Utensílios e práticas (séc. XVIII e XIX)

Começa já no dia 30 de Outubro, na Casa Museu Anastácio Gonçalves, o curso que constará de quatro sessões durante as quais será feita uma abordagem sobre as principais características da mesa nos séculos XVIII e XIX.

Resumo da 1ª sessão:

A importância da mesa
 Neste período a influência francesa foi predominante na mesa, tanto no campo da representação, como nos rituais e utensílios. Estas noções eram trazidas pelos embaixadores representados em França. Esse hábito não foi exclusivo de Portugal e estendeu-se a toda a Europa, como nos mostram relatos nas cortes sueca e dinamarquesa.
Os atoalhados
Pela primeira vez iremos abordar o aparecimento e desenvolvimento dos atoalhados ligados à mesa, em especial as toalhas e guardanapos, tipos de tecidos e formas de utilização, demonstrados em pinturas e em exemplares conservados em museus. 
 Modificação dos espaços das cozinhas, das copas e o aparecimento da sala de jantar 
Sala de jantar do séc. XVIII, Palácio dos Guiões, Lisboa
 O pessoal de cozinha e copa e as principais funções ligadas à mesa 
Cozinha do séc. XVIII, Palácio Pimenta, actual Museu da Cidade de Lisboa
Aqui fica um aperitivo da primeira sessão.